Estado já recebeu 1.285.180 de doses de Coronavac, AstraZeneca e Pfizer encaminhadas pelo Ministério da Saúde. 


Avançar na campanha de vacinação contra a Covid-19, protegendo o povo alagoano, tem sido um compromisso diário do Governo do Estado. Assim que as vacinas da Pfizer, Coronavac e AstraZeneca chegam em Alagoas, as equipes da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) não medem esforços para distribuir, aos 102 municípios alagoanos, as doses enviadas pelo Ministério da Saúde (MS). 

No total, o Ministério da Saúde destinou para o Estado 1.285.180 de imunobiológicos, com a Sesau encaminhando 1.027.325 às Secretarias Municipais de Saúde (SMSs). A diferença das doses recebidas pelo MS e repassadas aos municípios acontece por conta da estratégia elaborada pelo Programa Nacional de Imunização em Alagoas (PNI/AL), órgão ligado à Sesau, em separar doses como reserva estratégica e reter imunizantes para aplicação de segunda dose (D2). 

Para o secretário de Estado da Saúde, Alexandre Ayres, graças à interlocução com as gestões municipais, a imunização tem avançado. “Alagoas recebe vacinas do Ministério da Saúde, os imunizantes são recebidos pelo PNI/AL, e após todos os procedimentos, são distribuídos para os municípios continuarem a vacinação. A vacinação é o método mais eficaz para combater a Covid-19. Seguimos firmes, pois lugar de vacina é no braço do alagoano”, destaca. 

As cidades que mais receberam imunizantes contra a Covid-19 foram Maceió (339.694), Arapiraca (75.945), Palmeira dos Índios (25.804), Penedo (22.239) e Rio Largo (21.960). A distribuição completa pode ser conferida em https://qsprod.saude.gov.br/extensions/DEMAS_C19Vacina/DEMAS_C19Vacina.html, do Ministério da Saúde. 

Com todo este quantitativo distribuído, os municípios alagoanos aplicaram 884.086 doses das vacinas contra a Covid-19. Desse total, 587.592 pessoas foram vacinadas com primeira dose (D1) e outras 256.494 com a segunda dose (D2). 

Na relação entre doses distribuídas e doses aplicadas na população, Alagoas tem um percentual de 82,2%, e esse aproveitamento deixa o Estado em quarto lugar nesse índice, ficando atrás do Rio Grande do Norte (100%), Roraima (89,4%) e Paraíba (89,4%). As informações são da Rede Nacional de Dados em Saúde (RNDS) do Ministério da Saúde.