Suspeito disse que ele estava aperreando e deu uma tapa no rosto, quando ele caiu e teve convulsões.


Foram detidos pela polícia a adolescente de 16 anos e o companheiro dela de 25 anos, que estavam tomando conta do menino Cauã, de 3 anos, no dia 18 de abril, quando ele desapareceu no bairro do Benedito Bentes, parte alta de Maceió. O homem confessou que matou a criança.

O corpo de Cauã foi encontrado na tarde desta quinta-feira (28), em uma área de mata, no mesmo bairro em que despareceu. A polícia investiga o caso e suspeita que a criança tenha falecido em um tempo maior do que o informado pelo suspeito, devido ao estado de decomposição em que o corpo foi encontrado.

Em depoimento à Polícia Civil, o homem, identificado como Fernando Henrique de Andrade Olegário, companheiro da adolescente que tomava conta do menino, confessou que no dia do crime, a criança estava “aperreando” e ele a agrediu com tapas. Segundo o rapaz, Cauã, caiu, bateu a cabeça na parede, teve convulsões e faleceu.

Ainda segundo informações da PC, o crime aconteceu na presença da adolescente, que afirmou não ter levado o menino para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) para não ser responsabilizada e que a morte da criança teria sido acidental.

Ainda em depoimento, o suspeito relatou que as agressões aconteceram na casa de uma cunhada dele e que Cauã foi levado desacordado para a sua residência. Após perceber que o menino não estava mais vivo, ele levou o corpo para um matagal e o cobriu com folhas.

Após ser encontrado na tarde desta quinta (28), os restos mortais da criança foram recolhidos pelo Instituto Médico Legal (IML) de Maceió, que irá apontar a causa e o tempo de morte, após a realização de exames.

Ministério Público acompanhava o caso

O Ministério Público do Estado (MPE) por meio do Programa de Localização e Identificação de Desaparecidos (PLID) estava investigando o desaparecimento de Cauã, de 2 anos, que desapareceu na segunda-feira (18), no bairro do Benedito Bentes, parte alta de Maceió.

Segundo informações da promotora Marluce Falcão que coordena o PLID a mãe biológica teria dado a criança para uma mulher identificada como Larissa alegando que não teria condições de criar o garoto.

De acordo com Marluce, quando Cauã desapareceu, ele estava sob guarda irregular da Larissa, apesar de ter sido a mãe biológica ter acionado a imprensa.

O menino estava com um casal, uma adolescentes de 16 anos e o companheiro dela de 25 anos,  amigos da mãe do menino. O casal disse que passava por uma rua no Benedito Bentes quando se distraiu e ‘perdeu’ a criança. 

Após o desaparecimento, agentes do Programa Ronda no Bairro foram acionados e realizaram buscas, mas o menino não foi localizado. Imagens de câmeras de segurança de estabelecimentos da região serão solicitadas pela polícia.