Testemunha de duplo homicídio é executado com tiros na cabeça em Delmiro Gouveia


André da Silva, 34 anos, foi assassinado na noite deste sábado, 5, em um bar na Rua Adolfo Santos, no Bairro Campo Grande. Elementos estavam em um Fiat Uno branco de placa não anotada.

Local onde ocorreu o crime. Crédito: www.italotimoteo.com.br

Uma testemunha de um duplo homicídio, foi assassinada na noite deste sábado, 5, por volta das 20h15min, na Rua Adolfo Santos, no Bairro Campo Grande, em Delmiro Gouveia, no Sertão de Alagoas. A vítima trata-se de André da Silva, 34 anos.

Informações obtidas com exclusividade através da reportagem do italotimoteo.com.br, dão conta que a vítima era testemunha chave do duplo homicídio que ocorreu no dia 16 de agosto também em um bar na Rua Floriano Peixoto no centro da cidade e vitimou Fábio Elias e Ricart Lino. Inclusive André estava intimado para prestar novo depoimento a polícia, sobre as investigações do crime que chocou a cidade no mês retrasado. 

A intimação seria para auxiliar a polícia, já que um dos acusados, morreu em confronto com a polícia no dia 3 de setembro, entre as ruas do Índio e Barão de Água Branca, no Bairro Eldorado.

André teria chegado ao local em uma Fiat Strada modelo 2006, de cor azul e placa KKD-5224/Caruaru-PE, ele teria pedido uma cerveja e poucos minutos depois de ter sentado na mesa, um carro fiat uno branco se aproximou e um dos ocupantes efetuaram vários disparos, possivelmente de revólver calibre 38.

Ainda segundo informações obtidas pela reportagem, outros homens estariam em uma moto dando apoio ao carro. Testemunhas revelaram a polícia que após a execução, os bandidos gritaram “Aqui é PCC” sigla que se refere ao Primeiro Comando da Capital, que está infiltrado em bairros periféricos da cidade.

O delegado Rodrigo Rocha Cavalcanti e sua equipe estiveram no local realizando as primeiras investigações, ele não quis falar com a reportagem, mas adiantou que o crime se trata de uma queima de arquivo.

A Polícia Militar realizou buscas, na tentativa de encontrar os suspeitos, mas até o fechamento desta matéria ninguém havia sido preso.

O Instituto de Criminalística e o Instituto Médico Legal serão acionados para realizar os procedimentos necessários.