Homem que foi atacado por presos é condenado a 34 anos de prisão por estupro seguido de morte


Antônio Abílio dos Santos foi preso em janeiro de 2015 em Inhapi, no dia da prisão ele foi atacado por presos da Delegacia de Delmiro e ficou com 40% do corpo queimado.

Antônio Abílio - crédito: Ítalo Timóteo - Arquivo: Radar89

O juiz de Mata Grande Vinícius Garcia condenou Antônio Abílio dos Santos, a 34 anos de prisão. O homem com outros dois adolescentes estuprou e matou uma criança do sexo masculino de seis anos na cidade de Inhapi no mês de janeiro de 2015. A pena, aplicada pelo magistrado Vinícius Garcia, deverá ser cumprida em regime inicialmente fechado.

De acordo com a denúncia do Ministério Público (MP/AL), o réu e dois adolescentes violentaram sexualmente a vítima e, em seguida, jogaram a criança em uma barragem. O menino faleceu em decorrência de afogamento. Em depoimento na delegacia, o réu negou envolvimento no crime.

A criança estava sob os cuidados de uma tia que estava bebendo na praça central do município e pediu para dois menores levassem ele para a casa de um dos adolescentes. A vítima teria acompanhado os outros e quando encontraram com o réu Antônio Abílio seguiram para uma barragem, localizada na Cohab da cidade, onde a criança foi violentada e afogada para não entregar os acusados.

A defesa do réu foi feita pelo defensor público Wagner de Almeida Pinto, que recorreu da decisão.
  
Como a polícia descobriu o crime:


Na época, a polícia tomou conhecimento que a criança havia sido morta por afogamento. Inclusive o corpo chegou a dar entrada no Instituto Médico Legal (IML), porém o delegado Rodrigo Rocha Cavalcanti recebeu informações de que a criança havia sido estuprada e depois foi jogada na barragem.

No mesmo dia, ele entrou em contato com o médico legista que confirmou que havia sinais de penetração no ânus da criança e marca de queimaduras provocadas por cigarros.

Ação foi comandada pelo delegado Rodrigo Rocha Cavalcanti - Crédito: Ítalo Timóteo - Arquivo: Radar89

O delegado mobilizou toda a equipe da Polícia Civil com apoio da Polícia Militar e prendeu Antônio Abílio, a tia do garoto que estava bebendo e um adolescente. Outro menor foi apreendido dias depois na cidade de Batalha.

Todos eles foram presos ainda em flagrante por diligências ininterruptas e levados para a Delegacia Regional de Polícia (1ª-DRP).

Tribunal na prisão:

No mundo do crime, presos não perdoam quem é acusado de estupro e não foi diferente para Antônio Abílio. Ele e os dois adolescentes sofreram a condenação na cadeia no dia 9 de janeiro de 2015.

Na época, o repórter Ítalo Timóteo que atuava no programa e portal Radar 89 flagrou o momento em que os acusados estavam sendo agredidos pelos demais presos. Eles não morreram, porque a polícia agiu rapidamente e conseguiu conter o ataque.

Na época foi apurado que Antônio Abílio, foi quem mais sofreu com os ferimentos. Ele foi transferido poli traumatizado (vários traumas), queimaduras de terceiro grau em quarenta por cento do corpo, provável traumatismo craniano encefálico, múltiplas lesões por perfuro cortante por todo corpo. Além disso, os presos o esfaquearam, quebraram dentes frontais e o estupraram.

O estado de saúde dele era grave e o mesmo correu riscos de morte.

Um dos adolescentes teve 25% do corpo queimado na região do abdômen e braço esquerdo, o outro que é deficiente apresenta sinais de espancamento e escoriações leves, esse último não corre risco de morte.

Na época, todos os três ficaram internados no Hospital Geral do Estado de Alagoas (HGE) em Maceió e conseguiram se recuperar. Os adolescentes já cumpriram penas e estão soltos.