Últimas Notícias

Mellina Freitas e outros secretários são exonerados pelo governador Renan Filho

Decisão foi publicada nesta sexta-feira, 4, no Diário Oficial do Estado (DOE). 


Considerada como “imexível”, Mellina Freitas não é mais Secretária de Cultura do Estado de Alagoas. A decisão foi tomada pelo governador Renan Filho e publicada no Diário Oficial do Estado (DOE), nesta sexta-feira, 4.

O site da capital alagoana Cada Minuto, já antecipava a notícia, depois que o deputado estadual Inácio Loiola, que é tio da agora ex-secretária esteve reunido com outros deputados, formando a aliança para eleger Marcelo Victor como presidente da Casa Tavares Bastos – Assembleia Legislativa de Alagoas.

O candidato do governador é o seu tio – Olavo Calheiros, por isso ele não teria ficado satisfeito e decidiu exonerar do cargo, Mellina Freitas que desde que assumiu em 2015 sofreu pressão da população que pediu a sua saída, já que a mesma é acusada de desvio de dinheiro, enquanto era prefeita da cidade de Piranhas, no interior de Alagoas.

Quatro aliados do governo de Renan Filho já foram exonerados desde o início do seu novo mandato. Galba Neto, que comandava o Procon Alagoas, e Gustavo Lopes que estava à frente do Instituto do Meio Ambiente (IMA) foram também foram exonerados e tiveram os decretos publicados mais cedo.

Outro que foi exonerado junto com a Mellina Freitas, foi o Fernando Pereira que fazia parte da Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social. A pasta que era dele será ocupada por Edenilsa Maria Chagas de Lima, que foi nomeada em decreto publicado na mesma edição.

Já a Secretária do Estado da Cultura (Secult) segue sem informações de um novo secretário.

O advogado Carlos Eduardo Moura Nascimento assume o lugar de Galba Neto. Já o IMA será comandado interinamente pelo servidor comissionado Leonardo Lopes de Azeredo Vieira,  atual assessor de Gestão Interna do órgão.

1 comentário:

  1. Parabéns governador! Melina já teve duas vezes dinheiro bloqueado pela justiça, "fez" milhões na prefeitura de Piranhas, onde o povo pouco ou nada têm.

    ResponderEliminar